Weber e Seu Corpo Duplo

O carburador de corpo duplo nasceu da visão de Edoardo Weber, italiano filho de um Suíço, começou a trabalhar na Fiat (Fabrica italiana Automobilística de Turim) em 1907 como um simples operário trabalhando com tornos e ajustadores mecânicas.

Depois de anos de experiência adquirida, em 1923 percebeu que os carros tinham um fraco rendimento para os motores da época. Em Bolonha Weber fundou a Fábrica Italiana de Carburadores Weber, junto com o engenheiro Lancelloty e os irmãos Donini.

O primeiro carburador que os três produziram juntos foi para um caminhão 18BL-15TER, mas apesar dos bons resultados obtidos, a sociedade acabou terminando e Weber ficou como o único dono da empresa.

Algum tempo depois, Weber decidiu aperfeiçoar o Econo-Super-Alimentatore, um carburador idealizado para ser usado nos Fiat 501 e 505 que permitia obter a máxima potencia do motor com mínimo esforço do carburador. O sucesso foi enorme, e rapidamente passou a ser adotado pelos taxistas de Bolonha, que apesar da fama de desconfiados e hostis aceitaram usar o modelo em seus Fiat 505.

Depois do sucesso com os taxistas, ele começou a experimentar a sobrealimentação do turbo compressor em um Fiat 501 Sport, e idealizou o primeiro carburador de corpo duplo diferenciado, que rapidamente também foi aplicado nos modelos 502 e 503 da Fábrica de Turim.

Após chegar em terceiro lugar numa corrida em Mugello pilotando esse 501 Sport, logo chamou atenção dos irmãos Maserati que decidiram instalar o modelo que Weber usara na corrida em um modelo V4 de 16 cilindros e que mais tarde seria pilotado por Mario Umberto Borzacchini que foi recordista mundial de velocidade na época.Depois de quebrar recordes e conquistar todo o mercado automobilístico Weber foi sequestrado em 17 de maio de 1945 e desapareceu. Infelizmente seu corpo nunca foi encontrado e até os dias de hoje seu túmulo permanece vazio. Após o seu desaparecimento o governo italiano tomou o controle da fábrica e de todas as patentes pertencentes a Weber, passando a distribuí-las gratuitamente para às fabricantes italianas de veículos, o que acabou ajudando ainda mais a difundir seu nome e seu legado pela história dos carros.

O carburador de corpo duplo não morreu com seu inventor, muito pelo contrário, ele ganhou mais espaço e até a metade dos anos 90 muitos carros lançados em países do 3º mundo ainda utilizavam o sistema carburado. Mas hoje no século XXI, o uso do carburador se tornou algo para os entusiastas da performance e do antigomobilismo.Nós da SPA Turbo temos o orgulho de possuir em nossa linha de produtos dois modelos do mítico Weber IDF 40/46, com alterações voltadas para quem tem em mente a performance. Os carburadores SPA 40 IDF e SPA 46 IDF High Volume são inspirados nos modelos Weber de corpo duplo, mas com modificações relevantes para aqueles que desejam maior performance em seus veículos:

A cuba dos carburadores SPA é 20% maior que a dos modelos tradicionais. Enquanto os demais oferecidos no mercado tem um recipiente com aproximadamente 130ml, os SPA High Volume, já saem da linha de produção com uma cuba de 160ml. Uma cuba com maior volume de combustível é essencial nas aplicações sobrealimentadas e no uso de misturas com maior proporção de combustível.

Outro ponto a se destacar nos SPA High Volume, é que eles já saem com canetas F7, que são as mais indicadas para veículos a etanol, possuindo a proporção correta sobre a mistura de ar/combustível, causando uma emulsão mais homogênea, o que é ideal para veículos voltados a performance. Já as peças comercializadas no mercado acompanham em sua grande maioria canetas F11, que são indicadas somente para motores à gasolina.Nosso carburador já vem com agulhas de 350mm, que são melhores para a maioria dos projetos. Já as versões concorrentes precisam ser trocadas em 95% das vezes, pois a vazão não é adequada para preparações, sendo necessário retrabalho, muitas vezes danificando à agulha e a tornando inútil para o uso.Com 26mm, os difusores dos carburadores SPA High Volume, já vêm na medida mais utilizada pelos preparadores e permitem retrabalho quando necessário em projetos especiais.Todos os pontos citados acima facilitam o acerto do motor, reduzem os custos e tornam mais fácil a vida de quem procura qualidade e resultados, tanto dentro das pistas quanto nas ruas. Confira abaixo a tabela e observe que os carburadores SPA High Flow são em média 25% mais acessíveis que os de outras marcas.

A SPA espera que os carburadores permaneçam ainda por muito tempo na vida dos apaixonados por carros, e que cada vez mais os donos de carburados tenham em mente o quanto esse sistema clássico de injeção de combustível foi e é importante para que seus carros tenham todo o fôlego e disposição, seja para, acelerar forte ou rodar com classe.

Como funciona um intercooler?

Basicamente o intercooler é uma espécie de radiador (ar/ar), que tem como função principal resfriar o ar pressurizado pela carcaça fria/rotor de um turbo compressor antes que este entre nos cilindros – pois o ar frio ocupa menos espaço-, possibilitando assim uma maior quantidade de moléculas de ar nas câmaras de combustão do motor e consequentemente um aumento na potência. Mas a real importância da utilização do intercooler está no fato dele reduzir muito a temperatura de trabalho do motor, reduzindo a temperatura do ar que chega as câmaras de combustão, diminuindo assim as chances de ocorrer a pré-ignição, levando a um consequente aumento da durabilidade. Considerado imprescindível em todas as preparações sobrealimentadas, o intercooler consegue reduzir a temperatura do ar admitido e pressurizado em até 100°C, permitindo ao motor uma combustão mais eficiente.

18033167_1896613653697844_2341682352432683181_n

Além das dimensões, posição e diâmetro dos bocais de entrada e saída, fixação, existem alguns tipos de colmeias, que também devem ser levadas em consideração na escolha do intercooler:

Colmeia tipo Bar & Plate

A colmeia tipo Bar & Plate é muito eficiente em troca de calor, porém restringe o fluxo quando comparada a outros modelos, sua construção é mais resistente em função do maior volume de matéria prima utilizada e permite fabricação de intercoolers com inúmeras dimensões.

NTSI14

Colmeia tipo Tube & Fin

A colmeia tipo Tube & fin restringe pouco a passagem do ar e tem peso reduzido, sua construção é aproximadamente 50% mais leve que Bar& Plate, é o tipo de colmeia mais utilizado por montadoras.

NTSI05 (1)

Colmeia tipo Delta & fin

A colmeia tipo delta & fin é bem similar ao tube & fin, permitindo maior fluxo de ar através da área externa da colmeia favorecendo outros componentes do carro/motor que estejam atrás do intercooler e necessitem receber fluxo de ar.

NTSI10-Intercooler-ar-ar-550x140x68,5mm-com-colméia-tipo-Delta-&-fin-SPA-2

Com estas informações, fica mais fácil definir qual o melhor intercooler para o seu carro. A SPA Turbo disponibiliza todos os tipos de colmeias e diversas dimensões. Clique AQUI e acesse a Tabela de Especificações e descubra qual o melhor modelo para seu projeto.

Saiba mais: escape em aço inox

Muito se fala sobre as vantagens do uso de aço inox para fabricação de coletores de escape, mas poucos sabem as reais vantagens do inox em relação ao aço carbono ou as diferenças entre o inox 201 ou 304.

TESIH04 (10)

Aço carbono

O material mais utilizado para fabricação de coletores de escape tubulares é o aço carbono. Por ser um material de fácil manuseio e preço acessível, atualmente é empregado na maioria das aplicações, seja de carros de rua ou competição. O lado negativo desse material é que é sua vida útil é relativamente curta, devido ao alto nível de oxidação e desgaste, além do visual, que precisa constantemente receber pinturas com tinta de alta temperatura para que fique apresentável.

TMW15T3S

Aço inox

Possui baixo índice de oxidação e trabalha bem com as altas temperaturas atingidas no sistema de escape. Uma das principais características do material é exatamente reter em seu interior o calor, o que agiliza o processo de expulsão dos gases e também diminui a temperatura dos componentes próximos ao coletor e por consequência de todo o cofre do motor. A vida útil de coletores fabricados em aço inox também é bastante superior, já que o material é praticamente imune a corrosão. Além dessas características, o visual dos coletores fabricados em aço inox é inegavelmente melhor que aço carbono, não exigindo cuidados como pintura ou aplicação de fitas térmicas.

As diferenças entre o inox 201 e 304

O inox 201 é considerado até 30% mais resistente mecanicamente em relação ao 304, mas devido a isso, em determinadas aplicações pode ser  mais complicado e caro moldar algumas formas. O custo é outra vantagem, pois devido ao 201 possuir menos níquel em sua composição, geralmente o valor do material é menor em comparação ao 304. Visualmente falando, por possuir maior concentração de manganês, o inox 201 deixa a aparência do material mais escura em relação ao 304. Uma desvantagem do inox 201 porém, é que devido ao menor teor de cromo presente em sua composição, ele é ligeiramente mais suscetível a oxidação, mas isso é praticamente imperceptível na grande maioria das aplicações, só influenciando em aplicações extremas, como construção naval, por exemplo.

tubo-inox-aisi-304-redondo-12-polegada-espessura-120-mm-D_NQ_NP_333311-MLB20508973919_122015-F

A SPA Turbo possui uma grande linha de coletores de escape em aço inox 201 com 1,2mm de parede para motores aspirados das mais variadas marcas e motores. Clique AQUI e confira!

Teste novo comando de válvulas para VW/Audi 20V

GARANTA O SEU NA PRÉ-VENDA SPA TURBO: https://goo.gl/bzqfaY

Levamos um VW Golf 1.8 20V Turbo montado pelo preparador Du da oficina AllForce Drag & Street ao dinamômetro da equipe Rápidos Drag Racing Team para realizar testes com o novo comando de válvulas para VW/Audi 20V, e os resultados foram extremamente expressivos. Confira o vídeo abaixo com todas as informações do teste:

GARANTA O SEU NA PRÉ-VENDA SPA TURBO: https://goo.gl/bzqfaY

Gol aspirado DS #22 com cabeçote X-Flow

Para quem pensa que a Arrancada no Brasil se restringe ao eixo sul/sudeste, muito se engana! No nordeste existem diversos entusiastas, oficinas e lojas de preparação que trabalham diariamente para construir carros cada vez mais rápidos. Um desses caras é Fabio Augusto, piloto da equipe Só Peças Race Team, que comanda o Gol #22 da categoria Dianteira Super. O carro, que é montado pela oficina Exclusive Motorsport, de Foz do Iguaçu (45 9925-4225), chefiada pelo preparador Darlan, que nos conta sobre o carro: “Apesar de ainda estar trabalhando no desenvolvimento do carro, já percebemos resultados animadores. Mesmo usando apenas 60% da capacidade que temos de óxido nitroso, já obtivemos resultados muito expressivos”. Durante a 1ª Etapa Campeonato Maranhense de Arrancada 2017 (saiba mais AQUI), o DS #22 faturou a primeira colocação da categoria, com o tempo de 6s737 na pista de 201m do Ilha Race, mesmo disputando com motores 16V. Um motor VW AP 2.200 aspirado nitro equipado com cabeçote 8V X-Flow SPA Turbo, extensamente preparado pela equipe da Exclusive, que resultou em ganhos expressivos, que fazem toda diferença, principalmente em se tratando de motores aspirados, onde cada cavalo conta muito. “Fiquei impressionado não só com o rendimento, mas também com a durabilidade do cabeçote X-Flow, pois mesmo com todos os retrabalhos que fizemos, com uso de válvulas gigantes e trabalhos nos dutos, não foi necessário nenhum recorço ou solda”, conta Darlan. Confira abaixo detalhes do DS #22:

Saiba mais sobre o cabeçote X-Flow SPA Turbo clicando AQUI.

Teste comparativo: Parafuso de biela SPA TURBO 7/16 X ARP 2000 X ARP L19

Fizemos um teste de resistência para comprovar a eficiência dos parafusos de biela SPA 7/16″ que equipam as bielas SPA TURBO que suportam até 1.200cv. Para comprovar a eficácia comparamos com os consagrados parafusos da renomada marca americana ARP, líder mundial no segmento. Confira no vídeo abaixo os resultados do teste:

Trem de válvulas

A importância das molas, pratos e travas de válvulas em um projeto de alta performance ou competição

Com a enorme evolução vista nos últimos anos, onde motores com 500 cv nas ruas e 1000 cv nas pistas são comuns, o esforço aplicado em determinados componentes indispensáveis ao bom funcionamento do conjunto deve ser estudado com cuidado visando não somente alto desempenho, mas principalmente segurança e durabilidade. No meio da alta performance nacional, infelizmente ainda são poucos os preparadores e entusiastas que tem conhecimentos e dão real importância aos componentes do trem de válvulas (molas, pratos e travas) quando vão realizar um projeto de cabeçote para alta performance ou competição. Geralmente é adotado um comando de válvulas com especificações estratosféricas funcionando com todo o trem de válvulas original com, no máximo, molas mais rígidas. O fato é que muitas vezes acaba-se não aproveitando nem 50% do potencial do comando e dos trabalhos no cabeçote, pois não será possível atingir o limite de rotação e levante que o comando oferece, dessa forma o investimento de cabeçotes com alto fluxo acaba perdido devido as limitações das molas, pratos e travas originais.

prato_trava_mola_EVTRVW01JG_1000x1000

As molas de válvulas que equipam os motores originais são fabricadas em aço comum e possuem carga suficiente para evitar a flutuação das válvulas até o limite de rotação definido pela montadora e dificilmente um usuário comum irá atingir essa faixa de giros consecutivamente, o que acontece com certa facilidade nos motores de alta performance e principalmente de competição. Já molas especiais são fabricadas com materiais mais resistentes como o aço ASTM A877 e possuem cargas mais altas e devem ser escolhidas de acordo com o restante do conjunto, pois molas com pouca carga permitirão que as válvulas flutuem e possivelmente ocasione quebras, já molas com muita carga farão com que as válvulas enfrentem muita resistência, dificultando o levante e prejudicando o desempenho. Deve-se sempre se atentar aos valores de carga inicial e final da mola, e também ao fato delas serem do tipo simples, duplas ou triplas, sendo as duas últimas indicadas para comandos com rampas agressivas de duração e alto levante.

mola2_350x350

Pratos de válvulas tem como finalidade assentar as molas na sede, garantindo que as molas se comprimam e se expandam conforme o perfil do comando de válvulas, sem perder a carga necessária para o correto funcionamento. Os componentes originais também são projetados para funcionarem segundo os limites definidos pela montadora e devem ser substituídos sempre que ocorrer a troca das molas por componentes especiais, pois os pratos para alta performance são fabricados em materiais mais resistentes, como o aço forjado cromolibdênio AISI 4140 nitretado dos pratos comercializados pela SPA Turbo.

EVPRMW01U (2)

As travas de válvulas, apesar de serem componentes que possuem pequenas dimensões físicas, exercem um grande papel para o bom funcionamento do trem de válvulas e geralmente são esquecidos na hora de elaborar um projeto de alta performance. As travas de válvulas originais da grande maioria dos motores são fabricadas em aço comum, que resiste bem as exigências de um motor projetado para render a potência e limite de rotações estipulados como limite pelo fabricante. No caso de motores que tenham aumento de desempenho, e principalmente troca de comando de válvulas por outros com maior graduação e levante, os componentes originais não suportam o esforço aplicado e acabam permitindo que as válvulas desçam, ocasionando uma quebra que, na melhor das hipóteses, lhe deixará com avarias no cabeçote e a pé. Em casos mais graves, as quebras podem acarretar até a perda do motor por completo, já que pedaços das válvulas e outras peças podem ser enviados para as câmaras de combustão, danificando a câmara, pistões e até turbina.
EVTRVW01U_trava_1000x1000

Travas de válvulas especiais são fabricadas com materiais especiais, que resistem as exigências dos motores de alta performance e competição com folga. O material utilizado na fabricação das travas de válvulas para motor AP 8V da SPA Turbo, por exemplo, é o aço forjado cromolibdênio AISI 4140 nitretado  O aço forjado cromolibdênio AISI 4140 é uma liga metálica bastante usada em aplicações industriais, principalmente as que requerem resistência a deformação. Neste caso, as travas ainda recebem o tratamento termoquímico de nitretaçao, que aumenta ainda mais a dureza do aço.

DSCN7374

Além do material especial, essas travas possuem o grande diferencial de trabalharem com 10° de angulação no assentamento com o prato em relação aos 7° das travas originais e alguns modelos especiais. Essa angulação garante uma maior distribuição de carga nos pratos e molas, reduzindo ainda mais os riscos de uma possível quebra das travas.

travas

Com um preço bastante acessível e benefícios comprovados não só na teoria, o valor gasto nos componentes do trem de válvulas não deve ser considerado como um custo, e sim um investimento para a segurança de seu motor, seja ele de rua ou de pista.

 

Conheça mais sobre esses componentes clicando AQUI.

Monofluxo x pulsativo

A escolha da turbina/coletor de escape em um projeto vai muito além do tamanho (A/R) da carcaça, diâmetro e quantidade de pás do eixo e construção do coletor (tubular ou de ferro fundido). Existe um importante fator que ainda é pouco explorado pelos preparadores e entusiastas no Brasil mas que pode colaborar muito para o desempenho do motor: a utilização carcaças quentes de duplo fluxo, ou pulsativas, como também são conhecidas.

caixa-quente-pulsativa-spa-a-r-70-t3-eixo-52mm-cbbxqs70d02

Para explicar as diferenças e benefícios desta aplicação é necessária uma breve introdução sobre o funcionamento dos motores ciclo Otto. Os motores a combustão interna são máquinas que transformam energia térmica obtida na combustão em energia mecânica capaz de movimentar o veículo. Esse processo ocorre em 4 ciclos, chamados de tempos, que são: admissão, compressão, combustão e exaustão. Durante o funcionamento do motor, cada cilindro realiza um ciclo diferente. Usando como exemplo um teórico motor 4 cilindros com ordem de ignição 1-3-4-2, o cilindro número 1 estaria no ciclo de combustão e o cilindro número 4 se encontraria no ciclo de admissão, ou seja, ambos indo em direção ao ponto morto inferior (descendo nas camisas), portanto são chamados de cilindros gêmeos, enquanto o cilindro número 3 estaria no ciclo de compressão e por fim o cilindro número 2 se encontraria no tempo de exaustão, ambos indo em direção ao ponto morto superior (subindo nas camisas), e por estarem fazendo um movimento igual também são chamados de cilindros gêmeos.

motor

Em um turbo com sistema monofluxo, que é o mais comumente encontrado no mercado brasileiro, os gases do escape de todos os cilindros são direcionados para um único duto do coletor de escape e de lá seguem para a carcaça quente. Isso faz com que os gases de cilindros que estejam em ciclos completamente distintos se misturem durante o cruzamento de válvulas (momento em que as válvulas de admissão e escape estão abertas ao mesmo tempo), interferindo na lavagem de cilindros, que é a total expulsão dos gases de escape antes da entrada da mistura ar/combustível vinda da admissão e vice-versa.

fluxocolmono

cxqtemono01
cx040-2

Já nos sistemas de duplo fluxo, os dutos do coletor de escape dos cilindros gêmeos são unidos e separados dos demais. Além de garantir que os gases dos cilindros que estejam em ciclos completamente diferentes se misturem, o uso de coletor e turbina pulsativos também possibilita a utilização de turbinas com maiores dimensões sem aumento do turbo lag (tempo que a turbina demora para encher e entregar potência), já que a construção dos componentes de duplo fluxo facilita a antecipação do enchimento da turbina, pois como a carcaça é dividida em duas, a área que os gases tem que preencher é menor e são necessários menos gases para encher os dutos, que impulsionarão o eixo da turbina mais cedo e com mais linearidade, garantindo uma boa pegada em giros mais baixos mesmo em turbinas com maiores dimensões se comparado a conjuntos monofluxo. Outro importante ganho é na diminuição da temperatura nas câmaras de combustão, com uma melhor lavagem dos cilindros e de quebra, a diminuição de um dos maiores vilões dos motores turbo comprimidos, o temido back pressure, que é a contrapressão no escape.

fluxocolpuls cxqteduplo02 cxqteduplo01

CBBXQS58Dlado1-todas

Para comprovar na prática os benefícios do uso de coletor e turbina pulsativos, a SPA Turbo foi até Limeira, cidade do interior de SP onde fica localizada a oficina Rápidos, e passou no dinamômetro um Golf GTi com diversos upgrades. Equipado com um coletor de escape monofluxo SPA TMA03 e turbo Garret GT3071R com carcaça quente .63 também monofluxo, o motor 1.8 rendeu 455.2 cv. Após a substituição do coletor de escape por um SPA TMA05 duplo fluxo a carcaça quente da turbina foi substituída por uma SPA .70 pulsativa e outra passada no dinamômetro foi realizada nas mesmas condições e o resultado só confirmou as expectativas: 473.9 cv. O chefe de engenharia de produtos da SPA Turbo Fabio Felix Pascoal, nos conta um pouco sobre os resultados do teste: “Estávamos confiantes sobre os ganhos com o conjunto pulsativo, mas o resultado foi ainda mais surpreendente. Em alta rotação o ganho de potencia já era esperado, principalmente pelo aumento do tamanho da carcaça quente, mas além do ganho, a potência máxima foi atingida mais cedo. Mas o mais interessante foi o resultado em baixas rotações, que ultrapassou os 35 cv em determinadas rotações, sendo que a turbina acordou mais cedo, o que em um carro de rua faz muita diferença”.

tma03 (1)

TMA05_(1)

Este teste desmistifica a lenda de que conjuntos pulsativos só devem ser utilizadas em turbinas gigantes ou em carros de competição, e mostra que os ganhos que esta aplicação trazem estão ao alcance de qualquer entusiasta da alta performance.

 

 

Conheça mais sobre o coletor TMA05 clicando AQUI.

Nova SPA509C no Festival Força Livre de Arrancada

O DES #388 do piloto Sidney dos Santos Junior, equipe Bimba Preparações, que possui toda a configuração mecânica de um Turbo C, mas ao invés de um carburador, que é obrigatório na categoria de entrada dos tração dianteira turbo, Sidney utiliza injeção eletrônica e o lançamento da SPA: a nova Turbina SPA 509C, com o novo eixo de 9 pás, ficou com a 8ª colocação entre 33 carros durante o 22º Festival Força Livre de Arrancada.

A SPA509 nasceu de estudos de tecnologia e engenharia, que resultaram em diversas variações desenho de eixos e rotores do turbocompressor, que foram desenvolvidos com exaustivos testes de desempenho, realizados em nossos dinamômetros e aplicados em carros de rua e pista de nossos parceiros para garantir sua eficiência.

O novo design exclusivo aliado a combinação de 9 pás no rotor da turbina, foi capaz de oferecer um substancial aumento de potencia e menor contra pressão no escape sem perder a “pegada” do turbo em baixas rotações, quando comparado aos nossos concorrentes, com eixo e rotores com dimensões idênticas, mas com desenhos mais antigos.

A SPA509 chega para oferecer um desempenho inigualável comparado aos concorrentes do mercado, maior eficiência, menor turbo lag. Conheça mais sobre essa novidade clicando AQUI.

Em testes no dinamômetro vieram nada menos que 446cv com 1,9 bar de pressão no motor do DES #388.

8 Lugar Desafio 201- SIDNEY DOS SANTOS JUNIOR_logo

IMG_2380_logo

IMG_2381_logo

 

BBSPA509CN-turbina-50-spa-509-t3-com-refluxo-novo-eixo-9-p-s-49-5mm-rotor-46-75mm-diversas-op-es-de-caixa-quente-bbspa509

 

 

 

Produtos SPA Turbo em 1º, 2º, 3º… No Festival 2015

A SPA Turbo esteve presente nos lugares mais altos do pódio da categoria Turbo C na principal prova do calendário anual, o 22º Festival Força Livre de Arrancada:

1º Lugar – Nathan Mangoni. Equipe Serro Motorsport

1 Lugar - Nathan Mangoni. Equipe Serro Motorsport

O DTC #595 utiliza:

Biela Super A 144 V2: http://bit.ly/1cxkEBE

Dosador HPC: http://bit.ly/1NrZD8M

Carro recordista da categoria no Velopark em 2015.

2º  Lugar – Rogerio (Pé) Bernardi – Equipe Teruo Motorsport

2  Lugar -ROGERIO (PÉ)  BERNARDI - Equipe Teruo Motorsport

Motor Pé

O DTC #1322 utiliza:

Coletor turbo monofluxo T3 “L”: http://bit.ly/1dvbGVQ

Biela Super A 144 V2: http://bit.ly/1cxkEBE

Prisioneiro de cabeçote 118mm: ://bit.ly/1Lyde1B

Cabo de vela de silicone 10,4mm: http://bit.ly/1jNP0nF

Carro campeão e recordista da categoria no Paranaense em 2015.

3 Lugar- Fernando (Tatu) Prado. Equipe Dragster Motorsport

3 Lugar- FERNANDO (TATU) PRADO. Equipe Dragster Motorsport

O DTC #780 utiliza:

Coletor turbo monofluxo T3 “L”: http://bit.ly/1dvbGVQ

6º Lugar – Julio Cesar (Tocha) Goetten – Equipe Bimba Preparações

6 Lugar -JULIO CESAR (TOCHA) GOETTEN - Equipe Bimba Preparações

Motor Gol Tocha

O DTC #365 utiliza:

Mufla Hi-Flow p/ carburador 2E/3E Turbo C: http://bit.ly/1L4jQOY

Prisioneiro de cabeçote 118mm: http://bit.ly/1Lyde1B

Confira a cobertura completa da 5ª etapa do campeonato no link a seguir: 22º Festival Força Livre de Arrancada